quinta-feira, 14 de junho de 2007

Magnitude Indígena

(extraído das comunidades do Orkut)

Magnitude Indígena

Em 1855 um presidente enviou emissários a um grande lider indígena na América do Norte,
solicitando que ele lhe vendesse parte de suas terras.
Aí estão alguns trechos de sua resposta, para que não nos esqueçamos jamais:

"Como posso vender o céu ou a terra?
Não somos donos da brisa da manhã, nem do brilho das águas.
Nós somos parte da terra e ela é parte de nós.
As flores são nossas irmãs.
Os animais na planície, todos são parte de nossa família.
A água cristalina nos rios é o sangue de nossos antepassados.
O vento que deu a meu avô seu primeiro alento,
também recebeu seu último suspiro.
O que acontece com a terra,
também acontece com seus filhos,
que somos nós.
A terra não pertence ao homem,
e sim o homem é que pertence a terra.
AHO,
LURAN

Um comentário:

FABIO LEAL CABRAL disse...

nossa muito legal esse poema
gostei da parte em que diz :
que a terra fais parte de nós e nós fazemos parte da terra,isso explica que nos temos que dar mais valor a terra mesmo e até mais valor do que damos a nós; tambem foi legal a parte que fala que a água é o sangue de nossos antepassados, quer dizer que temos que da mais valor a agua como se ela fizesse parte de nós ela é o sengue de nossas veias.
muito legal mesmo esse poema
parabéns pelo blog professora

FABIO LEAL CABRAL 1ºA DILECTA