sábado, 24 de novembro de 2007

A divisão social do trabalho e o crime

Segundo Platão em sua Sofocracia, ou governo dos sábios, o que naturalmente irá distinguir os homens é a Educação de origem.
Em sua teoria, tudo é relativamente simples. Ele divide o progresso intelectual humano nas almas de ouro, prata e bronze.
A divisão é da seguinte forma: Os pais não devem aplicar a educação formal aos filhos pois estão envoltos à paixões. Assim, crianças a partir de 5 anos devem ir para unidades que sejam imparciais na educação.
Nessa escola...de início toda a chance ao intelecto será dado à todos, porém naturalmente existirá uma seleção pois nem todos mostrarão aptidão ao conhecimento. Esses, poderão ficar então com os trabalhos braçais como agricultura e outras fontes de sustento da Pólis.
O processo seletivo dentro da unidade deverá continuar e um novo grupo não conseguirá alcançar o estágio final, que é aquém do conhecimento é o da Crítica sobre o conhecimento, e o da sabedoria. Entretanto, esse grupo se diferirá do primeiro, pois já tem uma gama de conhecimento intelectual. Assim, esses serão os soldados da Pólis, com relativo conhecimento mas ainda sem o poder intelectual crítico necessário para o governo da Pólis.
Somente o grupo restante nesse processo educativo, terá condições de governar e se manter na elite...assim, o governo Aristocrático, ou o governo de poucos...q é diferente da Tirania ou da Democracia...
Agora vamos falar do Brasil de agora:
Perceba a divisão do trabalho social:
Todos entram na escola...muitos adquirem diploma..mas, apenas poucos são médicos, engenheiros, advogados..
Muitos não irão passar da 8a série, porque realmente não dominam conteúdos ....(até porque falamos de um conteúdo cartesiano)...esses, provavelmente irão para o trabalho em lavoura...ou serão garis..
Outros..farão até faculdades particulares..mas, não serão mais empregados de escritórios, técnicos ou policiais..
Outros estudam em sofisticados colégios particulares e sem dificuldades entraram em faculdades de peso como a Paulista de Medicina ..Serão médicos..e terão altos salários..se mantendo sem problemas na própria classe social formadora..
Salários?
Muito para médicos , pouco para bóias frias..
Qual a importância das funções?
Todas são importantes dentro de uma sociedade. Se o lixo se proliferar nas ruas...as pessoas adoecerão..
Por que exatamente um lixeiro tem que ganhar pouco???
Um PM que protege as ruas e garante a cidadania deve morar numa favela????
O que dificulta o processo social no Brasil é a caduca tentativa de se manter o que já não funciona, uma divisão social de trabalho injusta..que acaba criando o desprestígio das demais funções. Acaba criando vergonha e humilhação nos trabalhos que não foram classificados num alto status..
Por que alguém iria preferir ser empregada doméstica..nesse quadro se pode ter lucros na informalidade?? E por que uma empregada doméstica, que mantém a casa de alguém em ordem, ganha tão mal????????
Defendo que as pessoas devam ter salários conforme sua competência e aptidão, mas não na forma de divisão social, onde as chances são nulas para quem não tem condições de cursar um Anglo.
Todas as profissões e os respectivos trabalho precisam ser valorizados, independente de escolaridade.
Emile Durkheim dizia que o Estado deveria ser comparado à harmonia de um corpo.
Já percebeu a perfeição do corpo?
Se vc estiver caminhando e pisar num prego. Qual a atitude do corpo?
Ao acaso a outra perna irá pronunciar "ainda bem que não foi comigo?", os braços se cruzarão e dirão: "Nada tenho com isso"?. Os olhos mirarão as montanhas e dirão: "Somos superiores"?? .
Não!!!
Se vc pisar num prego, a dor é igual para todos os orgãos, os olhos procurarão o objeto, sua coluna se inclinará e seus dedos o arrancarão. Se assim não for, tudo se prolongará até a morte do corpo. Tudo funciona em conjunto, embora haja um chefe no corpo, ninguém é mais bajulado ou recebe mais pelo que faz. Todos são úteis.
A diferença brutal entre pessoas, começa educação seletiva, depois pela divisão de trabalho e pela manutenção não de competência mas de status...Origina-se o desconforto, o tédio e o crime.
Não existem chances iguais. O que seria da agricultura brasileira se todos pudessem estudar no Rio Branco , colégio paulista?????? Quem iria conduzir os ônibus lotados se todos pudessem ter acesso à redes de ensino de valor?
Na verdade, no Brasil ainda existe a relação feudal, mantida por trabalhadores servis. Produz-se operários e não se dá chances justas de seleção.

domingo, 18 de novembro de 2007

Heráclito e Parmênides - Nós "somos" ou deixamos de "ser"?


Essa conversa não é nova, até porque o que há de novo no pensamento? o que ainda não foi dito? Mas mesmo assim precisamos sempre exercitar nosso intelecto pois ele é como um músculo, precisa ser metodicamente trabalhado. Agora vamos viajar na história do pensamento: Citarei a Grécia pois não tenho ainda conhecimentos suficientes sobre o pensamento da China ou Egito.. Assim, na antiga Grécia existiram os chamados "Pré-Socráticos", nome dado aos pensadores que vieram antes de Sócrates. Estes, foram chamados de Filósofos da Natureza pois procuravam por uma substância única que poderia ter originado todas as coisas existentes na terra. Dois filósofos se destacam: - Parmênides de Eléia (530-460 a.C.) : Procurando por explicações lógicas e ordenadas, distinguindo-se da mística, procura ordenar o "Ser" do "não-Ser". Parece uma atividade simplista? Pois é...mas essa aparência é enganosa. Mas, existem opostos? algo pode ser ou não ser...ou, é possível que algo se transforme em seu próprio oposto.. Diante dessa dúvida ele chega à conclusão do Princípio da Identidade. Faz a negação do que os "sentidos mentirosos" lhe mostravam, assim: o Ser é Uno, um único grande Ser eterno que jamais se altera e a qual tudo, Seres e Não -Seres, são apenas ilusões de si mesmo. O ser é eterno, único, imóvel e ilimitado. Porém, o Imóvel e Ilimitado é Deus.
A mudança para ele era algo superficial que não afetaria a essência de qualquer objeto..
Imagine-se assim: Você muda totalmente suas roupas, muda de casa, de hábitos..mas, se torna mesmo outra pessoa?

-
Heráclito de Éfeso (540-476 a.C.):

Não obstante
, Heráclito....já pensava diferente...

Para ele...nada poderia ser igual ..pois tudo estaria em movimento permanente...A vida seria um movimento com fluxo perpétuo...Você é a mesma pessoa de 10 min atrás? Quantas coisas não acontecem em 10 min?
"Não se entra no mesmo rio duas vezes".
A lei fundamental do Universo é o "devir", que significa contínuas transformações. Tudo flui e nada fica como é. Não temos e não somos também estáveis.
" Tudo segue seu curso. Para Heráclito o princípio das coisas é o fogo. O fogo transforma-se em água, sendo que uma metade retorna ao céu como vapor e a outra metade transforma-se em terra. Sucessivamente, a terra transforma-se em água e a água, em fogo." (1) A palavra "devir" na filosofia tem o seguinte sentido : Transformação..o que supera o termo "mudança"..pois "trans-formar" é estar sempre superando etapas anteriores..
Para Heráclito o devir explica a realidade...
Ele nos proporciona uma "dialética" , a contradição...a oposição..
Para deixar mais claro, Dialética significa: Dialética, "di" de diálogo...Num "diálogo" não existem mais de uma pessoa argumentando? A Dialética pressupõe além de um diálogo, a contradição das coisas...a diferença por vzs radical entre tudo que existe na natureza...(2)

E por fim...podemos concluir se somos, fomos ou seremos diferentes? Ou se sempre fomos nós mesmos...assim como tudo que nos rodeia?
Confusão não?
Tudo pode ser simples assim: "Nós sempre fomos os mesmos" pois nosso Eu ao que parece, segundo Freud se formou na infância, recebeu projeções até de nossos avós..ou segundo geneticistas modernos, nós já tínhamos personalidade... de um DNA transportado..antes de se formar o embrião...
Não importa o que façamos...temos um interior já "moldado"..ou seja, temos uma essência..Todavia, essa essência não se transforma?.
Esse é o paradoxo de nosso século...
Hoje sabemos que existem Reflexos condicionados propostos pela Mídia ou pelo Marketing..que cultura e meio ambiente (que estão sempre em transformação) alteram uma pessoa...alteram qualquer coisa...Tudo na terra é fluxo..é contradição...e parece que é isso que nos leva à evolução...
Foi a passagem pelas guerras que nos fazem pedir a Paz...foram erros cometidos que nos forçam a acertar...Parecem que os problemas nos forçam a evoluir ..e a superar a nós mesmos...
Existem pessoas adeptas ao reduto da rotina e tem limitações quanto ao que é novo. Porém, a rotina é uma ilusão psicológica...passa uma idéia de normalidade pseudo eterna que não existe e a prova é a finitude física de todos nós, ou seja, a morte.

Bem, espero que vcs não tenham se confundido tanto..a ideia é só fazê-los refletir com argumentação significativa...do contrário..a filosofia por mais célebre, tornar-se fútil...

(1) http://www.filosofiavirtual.pro.br/presocraticos.htm
(2) http://www.perfeitauniao.org/oficina/2001/dialetica.htm

Links Indicados:
http://www.coladaweb.com/filosofia/heraclito.htm
http://br.youtube.com/watch?v=z5h0u-EIB0I

domingo, 11 de novembro de 2007

A águia e a galinha

A Águia e a Galinha
Uma metáfora da condição humana

Era uma vez um camponês que foi a floresta vizinha apanhar um pássaro para mantê-lo em sua casa. Conseguiu pegar um filhote de águia. Coloco-o no galinheiro junto com as galinhas. Comia milho e ração própria para galinhas. Embora a águia fosse o rei/rainha de todos os pássaros. Depois de cinco anos, este homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista. Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista:
- Esse pássaro aí não é galinha. É uma águia.
- De fato – disse o camponês. É águia. Mas eu criei como galinha.
Ela não é mas uma águia. Transformou-se em galinha como as outras, apesar das asas de quase três metros de extensão.
- Não – retrucou o naturalista. Ela é e será sempre uma águia. Pois tem um coração de águia. Este coração a fará um dia voar ás alturas. - Não, não – insistiu o camponês. Ela virou galinha e jamais voará como águia.
Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e desafiando-a disse: - já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não a terra, então abra suas asas e voe! A águia pousou sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas.
O camponês comentou:
- Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha!
- Não – tornou a insistir o naturalista. Ela é uma águia.
E uma águia será sempre uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã.

No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa. Sussurrou-lhe:
- Águia, já que você é uma águia, abra as suas asas e voe!
Mas quando a águia viu lá embaixo as galinhas, ciscando o chão, pulou e foi para junto delas.

O camponês sorriu e voltou à carga:
- Eu lhe havia dito, ela virou galinha!
- Não – respondeu firmemente o naturalista. Ela é águia, possuirá sempre um coração de águia. Vamos experimentar ainda uma ultima vez. Amanhã a farei voar.
No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a águia, levaram para fora da cidade, longe das casas dos homens, no alto de uma montanha. O sol nascente dourava os picos das montanhas. O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe:
- Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe!
A águia olhou ao redor. Tremia como se experimentasse nova vida. Mas não voou. Então o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, para que seus olhos pudessem encher-se da claridade solar e da vastidão do horizonte.
Nesse momento, ela abriu suas potentes asas, grasnou com o típico kau-kau das águias e ergue-se, soberana, sobre se mesma. E começou a voar, a voar para o alto, a voar cada vez mais para o alto. Voou... voou... até confundir-se com o azul do firmamento...

E Aggrey terminou conclamando:

- Irmãos e irmãs, meus compatriotas! Nós fomos criados à imagem e semelhança de Deus! Mas houve pessoas que nos fizeram pensar como galinhas. E muitos de nós ainda acham que somos efetivamente galinhas. Mas nós somos águias. Por isso, companheiros e companheiras, abramos as asas e voemos . Voemos como as águias. Jamais nos contentemos com os grãos que nos jogarem aos pés para ciscar.

(Autor: Leonardo Boff)

sábado, 3 de novembro de 2007

A gente se acostuma (trechos)


Eu sei mas não devia..

"A gente se acostuma
Mas não devia
A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e não ter outra vista que não seja as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora...E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz elétrica. E porque à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão
A gente se acostuma a acordar de manhã, sobressaltado porque está na hora.
A tomar café correndo porque está atrasado. A ler jornal no ônibus porque não pode perder tempo da viagem. A comer sanduíches porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.
A gente se acostuma a abrir a janela e a ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E aceitando os números, aceita não acreditar em negociações para a paz. Aceita ler todos os dias da guerra, dos números de longa duração.
A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: "Hoje não posso ir". A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.
A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o que necessita. A lutar para ganhar o dinheiro com que pagamos. E a ganhar menos do que precisamos. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter o que pagar nas filas em que se cobra....... "

" A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentamos não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá.
Se o cinema estiver cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente só molha os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho é duro, a gente pensa no fim de semana. A gente vai dormir cedo e satisfeito porque tem sono atrasado.
A gente se acostuma para não ralar na aspereza, para preservar a pele.
Se acostuma a evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se da faca ou baioneta, para poupar o
peito..
A gente se acostuma para poupar a vida
Que aos poucos se gasta, e que, de se acostumar, se perde.."

(trechos)


Maria Colosante

quinta-feira, 1 de novembro de 2007