segunda-feira, 2 de junho de 2008

O caminho só existe quando você passa

Diz na música do Skank que “O caminho só existe quando você passa”.
Jean Paul Sartre, filósofo existencialista disse “Estamos condenados à sermos livres”, ou seja, nós escolhemos nossos destinos, muito embora existam coisas que a natureza premedita do tipo: não escolhemos nossos pais nem nossa infância.
Talvez liberdade esteja envolta à uma responsabilidade que ainda não temos consciência nem saber.
Somente na idade adulta, o córtex responsável pela ponderação e consciência plena governa o cérebro e isso torna complexo a consciência de Liberdade.
Segundo o livro popular “O Segredo”, nossa mente pode interferir no nosso cotidiano, mudando-o, pode inclusive fazer nos comprar uma casa de U$ 1.000.000.000.
Não é possível fazer certas escolhas. Já chegamos até denominados aqui na terra, sem nem ao menos termos pedido isso. Todavia, é possível fazer escolhas com relação ao nosso cotidiano.
Se não tiro notas boas no ENEM, a culpa é dos professores? Da escola fraca? E o empenho estudantil? Foi o suficiente?
Se trato mau a recepcionista de uma clínica médica. É por culpa da tensão? Do stress? Ou de minha falta de diálogo com a realidade? Com meu egoísmo individual que culpa à todos?
A escolha que podemos fazer é o sentido da existência.

3 comentários:

Rogério de Abreu Soares disse...

Oi Profa. Célia.
Estou retribuindo sua visita e fiquei muito impressionado com seu Blog. Com todo o respeito, pessoas inteligentes fazem toda a diferença.
Muito obrigado e parabéns à você também!

Gisele disse...

Bem, pensar que seus pensamentos podem mudar o mundo é uma boa maneira de se destrair.
O livro "O Segredo", fez sim uma diferença na minha vida, bem, infelizmente não me trouxe dinheiro, mas aprendi a controlar meus sentimentos, e realmente, tudo ao seu redor muda quando você passa a ver a vida com outros olhos.
O que a gente faz, o caminho que a gente segue, as pessoas que temos ao redor são consequencias de nossas escolhas e atitudes, você é o que vive. Errado é aquele que diz o certo e não vive o que diz.
É uma ótima frase, mas o que seria o certo? Talvez o certo pra você seja o errado pra mim.
É como diz Fernando Verissimo em um de seus textos: " É que as vezes a gente não precisa do que é certo [...]".

Rogério de Abreu Soares disse...

Já me acusaram de dono da verdade. Que eu nunca mudaria o mundo. Essas mesmas pessoas me aconselhavam a ter paciência. Que um dia as coisas iriam mudar. Pergunto eu: Se ninguém fizer nada então como as coisas irão mudar? E o que é pior. Como as coisas irão melhorar? A resposta, com certeza, não será encontrada com o conformismo e, muito menos, com a nossa apatia. Já foi dito que para se dar um salto à frente é necessário dar-se alguns passos para trás. Uma coisa é certa, parados é que não devemos ficar!!!
Abraço e sucesso.