segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Um pouco de existencialismo

Nicolau Maquiavel (Florença, 3 de Maio de 1469 — Florença, 21 de Junho de 1527) mostrava o "Outro" em suas lições de política como aquele em que não se pode confiar, aquele que, de qualquer forma, quer o poder. Já Thomas Hobbes (Malmesbury, 5 de abril de 1588 – Hardwick Hall, 1 de dezembro de 1674) traça o perfil humano dizendo que "O homem é o lobo do homem"
E Jean Paul Sartre (Paris, 21 de Junho de 1905 — Paris, 15 de Abril de 1980) nos evidenciava o "Outro" enquanto censura, enquanto limite.
Se fossemos seres de outro planeta e chegassemos hoje aqui na terra, encontrássemos jornais e assistíssemos à TV do dia, realmente, teríamos a certeza que os três filósofos estão certos. Afinal mulheres castradas na África, famílias de presos políticos pagando pela bala que mata seu ente na China, morte e prostituição indiscriminada de menores do Brasil.
Um dia crescemos tanto em número de humanos que precisavamos nos organizar, então criamos aldeias e leis para regê-las, logo as leis regerião nações e talvez logo uma lei regerá o mundo universalmente.
Teoricamente as leis deveriam ser aceitas por todos pois toda a sociedade concordou com o chamado Pacto Social, ou seja, perdemos a liberdade individual em nome do coletivo. Teoricamente o soberano também deveria nos proteger e nós deveríamos ter deveres. Por fim, teoricamente, todos deveriam ser felizes pois isso é a socialização, a evolução humana.
Entretanto, não é difícil perceber que existem leis paralelas e leis institucionais que não são aceitas por todos por serem injustas.
Leis paralelas, como as do tráfico de drogas, existem quando as leis institucionalizadas se tornam insuficientes para garantir o bem-estar coletivo como também podem ser impostas pela sociedade quando os valores éticos se dissipam.
Leis constitucionais são consideradas injustas quando não atingem à todos, por ex. "os crimes do colarinho branco", pessoas que passam impunes pelo status ou situação financeira. Já os mais carentes, até por crimes sem tanto impacto, são detidos em presídios de situação subhumana.
Saindo da esfera das leis, analisamos a ganância ou a sede de status e poder em locais como trabalho ou mesmo na política. Não para por ai. Motoristas querendo correr mais sem se importar com outros que também estavam trafegando. Pessoas comuns tentando burlar leis. Bulling nas escolas porque uma turma se acha superior ao colega.
Enfim, talvez o mau humano seja justamente ter esquecido de onde nossa espécie veio e para onde irá.
Já fomos organismos unicelulares, já fomos primatas caçados, já fomos os mais fracos fisicamente das savanas. Só sobrevivemos e evoluimos, não exatamente porque o mais fraco entre nós foi sacrificado, mas porque aprendemos a andar em grupo e nos proteger.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

sábado, 4 de outubro de 2008

Eleições Municipais e Rousseau

Amanhã é dia de Eleições municipais...é bom lembrarmos de Jean-Jacke Rousseau do sec. XVII, que atestava a "vontade de todos e vontade geral"
"(1)A fundamentação do Estado rousseauniano é a vontade geral, que surge do conflito entre as vontades particulares de todos os cidadãos. Como existe uma tendência humana em defender os interesses privados acima da vontade coletiva, a assembléia, enquanto um processo de decisão, é o espaço da destruição das vontades particulares em proveito do interesse comum. Isto é diferente da vontade de todos, que seria apenas a soma dos interesses particulares dos cidadãos. “Há, às vezes, diferença entre a vontade de todos e a vontade geral: esta só atende ao interesse comum, enquanto a outra olha o interesse privado, e não é senão uma soma das vontades particulares. Porém, tirando estas mesmas vontades, que se destroem entre si, resta como soma dessas diferenças a vontade geral”. (Idem:32)."
Bem interessante observarmos que é preciso deixar nossos interesses particulares em prol do bem comum da comunidade..
Há quem diga que a teoria de Rousseau é apenas sonho já que Democracia já é falada desde a antiguidade grega mas quando exatamente existiu?
Os próprios gregos criadores do termo "poder do povo" tinham e mantinham seus escravos. Seria o termo aplicado apenas aos considerados cidadãos? Todavia se citarmos que as variações que existem no trabalho e as sub condições de vida de muitos percebemos que nunca todos tiveram os mesmos direitos..Houveram muitas tentativas, os EUA construíram até a Estátua da Liberdade, mas seus moradores latinos-hispânicos a olham com desdém...
No Brasil, país dos antagonismos, que resistem à passagem de Império à Replública, todos são cidadãos mas nem todos tem os mesmos direitos.
De qualquer forma, o país já esteve pior durante o Estado Novo de Getúlio e de 1964..No entanto, esperávamos bem mais..


Ver também (1): http://www.espacoacademico.com.br/022/22and_rousseau.htm

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

BOVESPA EM QUEDA

- Alguém tem acompanhado a crise econômica nos EUA?
- Não! porque EUA está muito distante e nem sei o que acontece aqui como saberei o que ocorre lá?
Então, precisarei retrucar:
- Queridos, infelizmente vcs não sabem mesmo o que acontece nem lá nem na economia brasileira por isso que somos, embora com muita luta, subdesenvolvidos e pagamos tudo caro com altos impostos e nosso salário nunca acompanha a inflação que parece não existir, mas com certeza existe e age em nossas vidas..
O primeiro passo para qualquer mudança é primeiro reconhecer o terreno em que pisamos...
Por exemplo, somos uma microeconomia ligada à macro-economias internacionais, tudo em cadeia...
Se o mais forte na cadeia tomba, outros poderão aparecer e mudar o aspecto radicalmente da cadeia ou a cadeia pode ter seus elos quebrados e desfazer-se...
Economia é um termo científico, criado na modernidade, paralela ao capitalismo, que significa: ciência que estuda a atividade produtiva. E é por ela que surgem estratégias para se levantar ou enfraquecer uma nação. Aliás as nações mais desenvolvidas detém excelentes profissionais da economia...
Na economia iremos estudar câmbio flutuante, estabilidade monetária e taxas de juros (vc sabe quanto paga de juros nas lojas onde se dividem o valor do bem em parcelas de até 60 vezes?).
Economia está ao lado da matemática, está que nos é tão difícil de dominar, parece meio elitizada aos poucos cérebros que puderam ter estímulos ou às mentes brilhantes;..
Se soubéssemos matemática nosso saldo bancário não seria mais negativo ou então não teríamos conta em banco, compraríamos ouro e acompanharíamos sua subida na cotação de mercado..
Entenderíamos que grandes bancos e grandes indústrias ditam nosso viver..e questionaríamos se o Capitalismo não poderia ser menos selvagem.
Economia está por toda a parte. Atualmente, existem economistas apostando em educar jovens, reeducar para o consumo, conscientizar as pessoas a viverem melhor com pouco porque já descobriram que capital desregulado e desenfreado causa guerra não mundial, mas urbana interligada com vários outros países, formando rede, paralela à globalização..
Bem, por hora é bom entender, começar a se interessar por noticiários que falam de economia internacional, pois a nossa, querendo ou não, está ligada à uma força matriz (aliás todos os seres humanos estão conectados há muito tempo)..
A Bovespa vem caindo porque o pacote de medidas econômicas de apoio aos bancos americanos e às Holdings, ainda não foi aprovado...E para quem não sabe, o canibal econômico EUA, pode perder sua força de capital mas o problema é que muitas nações ainda não conseguiram um melhor referencial.