domingo, 15 de março de 2009

Penso, logo existo

Todos nós sentimos que as dúvidas do texto anterior têm pronta resposta, mas como dize-las?
Segundo Renè Descartes (1596/1650), primeiro precisamos ter o ingrediente principal: A dúvida.
Quando começamos a duvidar de tudo, tudo mesmo, até de nossa existência, iniciamos a jornada rumo ao conhecimento..
Descartes trouxe importantes regras para que a ciência cumprisse realmente seu papel: Necessidade de Método, dúvida e caráter de verificação para saber se algo é falso ou verdadeiro.
Escreveu o "Discurso do Método" onde mostra que ele consiste na realização de quatro tarefas básicas: verificar se existem evidências reais e indubitáveis acerca do fenômeno ou coisa estudada; analisar, ou seja, dividir ao máximo as coisas, em suas unidades de composição, fundamentais, e estudar essas coisas mais simples que aparecem; sintetizar, ou seja, agrupar novamente as unidades estudadas em um todo verdadeiro; e enumerar todas as conclusões e princípios utilizados, a fim de manter a ordem do pensamento.
Por sua forma de pensar que privilegia a Razão, ele ficou conhecido como Racionalista.
Para o filósofo, nossos sentidos nos enganam por serem são falhos.
E nós, provamos que existimos porque estamos pensando sobre nossa própria existência, mesmo na dúvida: "Penso, logo existo".

Nenhum comentário: